Manaus, 24 de Março de 2019

 

Para que discutimos tanto?

1 Timóteo 1:3-11

 

Paulo adverte claramente contra as discussões inúteis. Estará Paulo pregando contra o estudo, a pesquisa e a reflexão?

Primeiramente devemos lembrar que Paulo é um homem de estudo, pesquisa e reflexão. Quando consideramos os grandes pensadores da sua época, não temos como não colocar Paulo entre os melhores. Assumir que Paulo era um anti-intelectual seria o mesmo que admitir que, nessa área ele não queria ser imitado. Isso faz sentido.

Paulo é contra discussões inúteis, que podem ser de natureza intelectual ou não. Se pudéssemos atualizar, seria o mesmo que dizer: “Não fique discutindo futebol. Converse sobre futebol, mas não discuta. É inútil, porque o torcedor não pensa; o torcedor torce”.

São as discussões inúteis que trazem ódio para dentro da comunidade.

São as discussões inúteis que lançam as pessoas para os braços da heresia.

São as discussões inúteis que impedem que ajamos de modo transformador.

São as discussões inúteis que fraturam a unidade da família e da igreja (2 Timóteo 2:23).

Discussões inúteis são aquelas travadas sobre temas sobre os quais a Bíblia não traz clara orientação, como, por exemplo, galardão, milênio, estado intermediário. Sobre essas questões, estamos livres para opinar, e o outro também.

Supondo que você não queira travar discussões inúteis, eis algumas sugestões;

Não seja sábio demais.

Não queira entender de todas as coisas.

Não queira ter razão no seu poder de convencer os outros.

Opine e deixe que sua opinião frutifique. Ou que morra.

Estude o máximo que puder sobre determinados assuntos. Especialize-se.

Deixe o outro ter razão, o que quer dizer que você pode estar redondamente errado.

No campo doméstico da fé, leia a Bíblia e deixe que ela fale, baseie seus argumentos nela.

No campo transcultural da fé (isto é, no debate com aquele que não crê ou crê diferentemente de você), exponha seus argumentos e deixe o Espírito Santo agir. Não queira fazer o papel dele. É Ele quem convence uma pessoa do seu pecado.

Em todas as situações, pergunte mais.

 

Pr. Israel Belo de Azevedo